segunda-feira, 13 de junho de 2016

GRANDES NOMES

STROMBERG


Na temporada de 1982/83 o então Presidente da Direcção do SL Benfica, Fernando Martins, surpreendeu o mundo do futebol português quando contratou um jovem treinador sueco que na época anterior havia conquistado a Taça Uefa ao comando do IFK Goteborg. Seven Goran Eriksson era assim o escolhido para suceder a Lajos Baroti no cargo de treinador principal dos encarnados.

Apesar das iniciais desconfianças que os adeptos do SL Benfica tinham sobre o jovem técnico, o certo é que este, pelo seu saber e inovação, foi paulatinamente conquistando o coração da torcida encarnada bem como a crítica desportiva nacional onde Seven Goran Eriksson ia granjeando elogios com o decorrer do tempo.

Eriksson entrou no Estádio da Luz disposto a deixar a sua marca na história do SL Benfica e nessa medida começou a implantar princípios e uma filosofia de jogo que viriam a marcar uma época não só em Portugal como em todo o continente europeu.

Para esquema táctico que montou para o SL Benfica da época de 1982/83, cedo Eriksson percebeu que precisava de um jogador de meio campo que empreende-se maior dinâmica de jogo, isto é, que tivesse capacidade física suficiente para ocupar mais espaço e fosse mais abrangente na transição da defesa para o ataque. Alem disso, a equipa encarnada estava bem necessitada de um rejuvenescimento naquele sector do terreno de jogo.

Apesar de na altura ter sido visto como uma excentricidade do treinador sueco, a escolha recaiu sobre Stromberg, médio centro internacional, oriundo do IFK Goteborg, anterior clube de Eriksson, no qual havia sido seu treinador.

(Com a camisola do IFK Goteborg)



Glenn Peter Stromberg, nasceu no dia 5 de Janeiro de 1960 em Bramaregaarden na Suécia e cedo se notabilizou no seu país ao serviço do IFK Goteborg, clube com o qual conquistou surpreendentemente a edição da Taça Uefa na época de 1981/82, com apenas 22 anos, numa final disputada contra os escoceses do Dundee United.

(Equipa do IFK Goteborg na final da Taça Uefa em 1981/82)



Chegou a Lisboa apenas em Janeiro de 1983, já com a temporada de 1982/83 em andamento, fazendo a sua estreia oficial com a camisola do SL Benfica no dia 5 de Fevereiro de 1983 num desafio a contar para o Campeonato Nacional da 1ª Divisão frente ao V. Setúbal no Estádio da Luz. O resultado final desse encontro entre encarnados e sadinos foi uma igualdade a 1-1.

Devido à sua imensa categoria, Stromberg foi paulatinamente ganhando espaço na equipa do SL Benfica até se fixar no onze principal em detrimento de João Alves, revelando-se a partir daí como um dos jogadores mais influentes na manobra da formação encarnada. O jovem internacional sueco facilmente conquistou os adeptos encarnados e desta forma abriu um filão de bons jogadores que o SL Benfica contrataria posteriormente no mercado nórdico como os casos de Jonas Thern, Schwarz ou Mats Magnusson.

(Em acção com a camisola do SL Benfica)




Stromberg  era um  jogador  que  patenteava  uma  forte  compleição  física, um  verdadeiro Motor” no meio campo encarnado ao lado de Carlos Manuel. Aliava a sua elevada estatura, a força  e  frieza típica  do jogador  nórdico a uma  excelente capacidade técnica  e visão de jogo. Impetuoso no desarme e com uma  passada larga  na movimentação, ocupava a zona central  do  terreno de  jogo arcando com  as missões de transportar o futebol  da equipa da zona defensiva para o sector atacante.

Na primeira época em Portugal, Stromberg apenas alinhou em 4 partidas oficiais do Campeonato Nacional da 1ª Divisão de 1982/83. Esta reduzida participação deveu-se essencialmente ao facto de apenas ter chegado ao SL Benfica a meio da temporada, quando a equipa estava bem entrosada e ganhadora. Alem disso, João Alves, que ocupava a sua posição no terreno de jogo, era dos jogadores mais influentes da equipa apesar de estar em declínio.

Na sua primeira época em Portugal, sagrou-se Campeão Nacional e venceu a Taça de Portugal. Voltou a disputar a final da Taça Uefa ao serviço do SL Benfica, jogando o jogo da 2ª mão da final no Estádio da Luz, mas desta feita, não conseguiu conquistar o troféu.

Em 1983/84, Stromberg foi titular indiscutível na equipa do SL Benfica confirmando-se como o verdadeiro “patrão” do meio campo encarnado. Alinhou em 25 partidas oficiais e apontou 3 golos no Campeonato Nacional da 1ª Divisão, competição que o SL Benfica viria de novo a conquistar.

(Equipa do SL Benfica na época de 1983/84)



(No Estadio da Luz em 1983/84)


Nesta temporada de 1983/84, Stromberg defrontou ao serviço do SL Benfica o Vitoria de Guimarães, em ambos os encontros com resultados completamente opostos.

Na 1ª volta do Campeonato Nacional da época de 1983/84, no jogo da 13ª jornada, o SL Benfica recebeu no Estádio da Luz o Vitoria de Guimarães. Surpreendentemente, o Vitoria que até era o 4º classificado naquele momento, em fase já adiantada da prova, foi copiosamente derrotado pelos encarnados por um expressivo 8-0.

Nesse jogo disputado no Estádio da Luz em Lisboa, perante cerca de 30.000 espectadores e sob a arbitragem de Carlos Valente da A. F. de Setúbal, o SL Benfica apresentou a seguinte linha inicial: Bento; Pietra, Oliveira, António Bastos Lopes e Álvaro; José Luís, Carlos Manuel, Stromberg e Chalana; Maniche e Diamantino. Ao minuto 75 o treinador Eriksson operou as duas substituições a que tinha direito com a entrada de Nené e Shéu para os lugares de Diamantino e o aqui recordado Stromberg.

O Vitoria Sport Clube treinado pelo austríaco Hermann Stessl apresentou a seguinte equipa: Silvino; Gregório Freixo, Amândio, Alfredo Murça e Laureta; Nivaldo, Fonseca e Paquito; Joaquim Murça e Flávio. Apesar da derrocada da equipa vimaranense ao longo do encontro, o treinador austríaco apenas procedeu a uma substituição quando ao intervalo fez entrar o brasileiro Eldon para o lugar de Fonseca.

Quanto ao jogo, em que Stromberg apontaria um dos oito golos encarnados, apenas dizer que foi uma exibição demolidora do SL Benfica que derrotou inaplavelmente o Vitoria de Guimarães. Ao intervalo já vencia por 3-0 com dois golos da autoria de Diamantino e um de José Luís. Na segunda parte mais cinco tentos, com Maniche e Nene a apontar dois golos cada um, e o sueco Stromberg a apontar um tento aos 59 minutos.

(Com a camisola do SL Benfica)



No jogo da segunda volta aconteceu uma pequena vingança do Vitoria SC que goleou por 4-1 o SL Benfica no Estádio Municipal de Guimarães. Alem dos números da vitória sobre o campeão nacional destaca-se essencialmente daquele encontro, o facto de a equipa vimaranense ter alinhado com vários jogadores ainda juniores.

(Equipa do SL Benfica na época de 1983/84)



No final dessa época acabou por ser vendido para o futebol italiano. A sua valia e as exibições protagonizadas ao serviço do SL Benfica haviam despertado a atenção dos clubes dos melhores campeonatos europeus.

Por seu turno, os encarnados, depois de conquistar duas campeonatos nacionais consecutivos e uma taça de Portugal, haviam alterado as prioridades para o seu futuro imediato, desinvestindo na equipa de futebol em detrimento de um maior investimento no património, nomeadamente no celebre fecho do 3º anel do Estádio da Luz.

Com isso, Eriksson acabou por rumar a Itália para treinar a AS Roma. Chalana, a principal coqueluche da equipa foi transferido para o Bordéus de França e Stromberg rumou ao calcio para representar o Atalanta.

Em Itália fez carreira esplendorosa e em quase uma dezena de anos a jogar nos relvados italianos com a camisola do Atalanta tornou-se num dos melhores e mais respeitados jogadores de futebol.

(No Atalanta de Itália)


No ano de 1985 foi mesmo considerado o melhor futebolista sueco. Facilmente se perceberá que também pela Selecção Nacional da Suécia, o potente Stromberg fez carreira coleccionando mais de cinquenta internacionalizações ao longo da sua carreira. Pela Selecção Sueca teve como pontos altos a participação no Mundial de Itália de 1990 e no Europeu da Suécia de 1992

(Selecção Nacional da Suécia)


Actualmente, Glenn Stromberg reside com a família em Gorle, localidade próxima da cidade de Bergamo em Itália. Tornou-se num comentarista desportivo para diversos órgãos de comunicação social, especialmente para as televisões suecas.

Actualmente


Como comentador da TV