sábado, 14 de maio de 2016

ÉPOCA DE 1945/46

PLANTEL

Martins, Rogério, António Teixeira, Arsénio, Mário Rui, Jacinto, Moreira, Espírito Santo, Cerqueira, Francisco Ferreira, Joaquim Teixeira, Gaspar, Júlio, Jordão, João Luz, Manuel Teixeira, César Ferreira, Duarte, Félix, Mário Reis, Clímaco, Oliveira, Vieira, Joaquim Fernandes, Brito e Jaime







TREINADOR

JANOS BIRI

MELHOR MARCADOR

ROGÉRIO "PIPI" - 24 Golos

RESULTADOS



FOTOS

BENFICA 7 - SPORTING 2


BENFICA 7 - SPORTING 2


GUIMARÃES 2 - BENFICA 5


BENFICA 4 - BOAVISTA 2


VITÓRIA DE SETUBAL 1 - BENFICA 4

GUIMARÃES 2 - BENFICA 5

BENFICA 4 - FCPORTO 0


RECORTES DE JORNAIS



CRÓNICA DA ÉPOCA

A época de 1945/46 ficou na história do futebol português, pois foi o primeiro Campeonato que fugiu à ditadura do triunvirato Benfica-Porto-Sporting, sendo conquistado pelo Belenenses. Para se ter a noção da dimensão do feito dos «rapazes da Cruz de Cristo», convém lembrar que seria preciso esperar 55 anos para um clube fora da «ditadura dos três grandes» reclamar para si o título de Campeão de Portugal...
Num campeonato disputado por 12 clubes, que se alargou geograficamente aos distritos de Aveiro e Portalegre, os azuis de Lisboa bateram a concorrência benfiquista por um ponto, enquanto o Sporting acabou em terceiro, bem longe dos dois rivais.
O Belenenses cedo chegou à liderança (4.ª jornada), depois de as três primeiras rondas terem conhecido três líderes diferentes:   SL Elvas e FC Porto.
À 10.ª jornada, uma derrota em Olhão, deixou a liderança nas mãos do Benfica, que jornada após jornada foi vencendo os seus jogos, mantendo um ponto de avanço para o Belenenses. 
Na 18.ª jornada o Benfica esmagou o Sporting por 7x2, superando o primeiro grande teste. Mas uma semana depois, a derrota nas Salésias entregou a liderança de volta para o Belenenses. Uma vitória sofrida em casa do FC Porto (1x0), e a vitória na última jornada em Elvas (1x2) valeram à equipa de Augusto Silva a vitória na prova. 
Além da decepção leonina, o FC Porto também teve uma época para esquecer e foi uma sombra de si mesmo, terminando em sexto lugar atrás do Atlético.

ANO DE TRISTEZA

BENFICA PERDE UMA PARTE DA SUA ALMA
COM A MORTE DE COSME DAMIÃO




 PRESIDENTE

MANUEL DA CONCEIÇÃO AFONSO