terça-feira, 7 de junho de 2016

ÉPOCA DE 1964/65

PLANTEL


Coluna, Torres, José Augusto, Costa Pereira, Cavem, Cruz, Eusébio, Raul Machado, Simões, Germano, Péridis, Jacinto, Neto, Pedras, Calado, Augusto Silva, Serafim, Luciano, Malta da Silva, Nascimento, Ângelo, Humberto Fernandes, Benje, Fernandes, Santana, Melo, Arcanjo

TREINADOR

LAJOS CZEIZLER

MELHOR MARCADOR

EUSÉBIO - 28 GOLOS

RESULTADOS



PRESIDENTE


Dr. António Catarino Duarte

Advogado de profissão e natural de Alpiarça, era o sócio nº 73 quando faleceu em 20 de Outubro de 1978, já então sócio vitalício, tendo iniciado a sua vida benfiquista em 1921. Em 1962 pertenceu à Assembleia de Representantes, onde se manteve até 1964. Foi eleito presidente da Direcção em 28 de Maio de 1965 e presidente da Comissão de Construção do Novo Parque de Jogos em 1967 e 1968, ao mesmo tempo que era editor do jornal "Benfica". Em 3 de Junho de 1966, reconhecendo-se os seus serviços ao clube, foi-lhe atribuída a categoria de "Sócio Benemérito".

CRÓNICA DA ÉPOCA

Desde que o Campeonato Nacional substituíra a Liga Experimental que o Benfica nunca conseguira conquistar três campeonatos seguidos, 1964/65 marcou o fim de um longo jejum de tricampeonatos para os lados da Luz.

Sem um adversário à altura: o FC Porto novamente segundo, nunca perigou a liderança benfiquista e com o Sporting a arrastar-se no quinto lugar, foi um Benfica que apesar de ser menos imperial que nas edições anteriores (duas derrotas e cinco empates), conquistou o campeonato sem dificuldades e com algumas vitórias memoráveis de permeio, como o histórico 11x3 ao Seixal na Luz.

Duas Semanas depois disputou a final da Taça dos Campeões contra o Inter de Milão em... San Siro.
O frango de Costa Pereira fica para a história, que saiu lesionado (ainda não havia substituições). Com Germano na baliza e mais nove a jogar, o resultado não se alterou.
No final, enquanto que o público italiano ovacionava os jogadores de Lisboa, os dirigentes da UEFA trataram de evitar os jogadores benfiquistas, entregando todas as medalhas ao capitão Coluna, para que ele distribui-se aos jogadores nos balneários. Como recompensa, o presidente do glorioso ofereceu aos jogadores o prémio de vitória (40 contos) e pagou do seu bolso uma réplica da taça dos campeões com dedicatória dirigida à UEFA, que colocou o Inter a jogar em casa (no ano seguinte algo parecido haveria de se passar com a selecção portuguesa no mundial de Inglaterra).


VIDEOS

T.C.E. - BENFICA 5 - REAL  MADRID 1


T.C.E. FINAL - INTER 1 - BENFICA 0


9ª JORNADA - BENFICA 4 - PORTO 0

15ª JORNADA - SPORTING 2 - BENFICA 2

17ª JORNADA - CUF 2 - BENFICA 0

FINAL TAÇA PORTUGAL - SETUBAL 3 - BENFICA 1