domingo, 19 de junho de 2016

ÉPOCA 1976/77

PLANTEL


Nené, Chalana, Manuel Bento, Shéu,  António Bastos Lopes,  Pietra,  Eurico,  Nelinho, Vitor Martins,  José Luís, Toni, Alhinho,  Artur Correia,  Moinhos,  Romeu,  Barros,  Alberto,  José Domingos,  Vitor Batista,  José Henrique, Diamantino,  Cavungi,  Messias, Álvaro

TREINADOR

JOHN MORTIMORE

Começou por jogar futebol nas escolas do Woking, uma localidade próxima de Farnborough. Depois de cumprir o processo de formação, ganhou lugar na equipa dos the cardinals onde jogou até aos 21 anos, época em que trocou o vermelho e branco do Woking pelo azul do Chelsea. Começou por jogar futebol nas escolas do Woking, uma localidade próxima de Farnborough. Depois de cumprir o processo de formação, ganhou lugar na equipa dos the cardinals onde jogou até aos 21 anos, época em que trocou o vermelho e branco do Woking pelo azul do Chelsea.

RESULTADOS


PRESIDENTE


JOSÉ FERREIRA QUEIMADO

Natural de Olhalvo, onde Nasceu na antevéspera do Natal de 1913, aos 12 anos já era sócio do Clube, tendo sido proposto pelo seu irmão, Joaquim Ferreira Queimado Júnior. Sócio vitalício com o nº 261, é um dos "Águias de Ouro" do Clube. Fez parte da Assembleia de Representantes em 1958-1959 e presidiu à Comissão Central em 1965. Em 16 de Junho de 1966, foi eleito presidente da Direcção e da Comissão de Obras do Novo Parque de Jogos.
Em 1973, fez parte da Comissão da Sede, lugar que ocupou até 1977. Foi novamente eleito presidente da Direcção em 23 de Junho de 1978, tendo-se mantido no lugar até 1980. Na sua gerência, iniciou-se a construção do Pavilhão "Dr. Borges Coutinho". Pelos serviços prestados ao Clube, foi-lhe atribuído, em 2 de Abril de 1970, a categoria de "Sócio de Mérito".

CRÓNICA DA ÉPOCA

A sede benfiquista de conquistas parecia não ter fim. Mais uma vez a águia bateu a concorrência, para conquistar o seu quarto tri-campeonato em doze anos. Números absolutamente impressionantes que demonstram o domínio benfiquista no futebol português durante a década de 60 e a primeira metade da década de 70.

Mais uma vez, Sporting e FC Porto foram incapazes de aguentar o ritmo encarnado, cedo cedendo pontos inesperados e atrasando-se para a liderança. O Boavista, então treinado por Mário Wilson e o Académico de Coimbra (nova denominação depois da Revolução de Abril) seguiram-se na classificação, enquanto o Setúbal foi sexto.

Grande desilusão para o Atlético que terminou em último lugar e desceu de divisão, para nunca mais regressar ao primeiro escalão em muito tempo...


DIVERSOS