domingo, 29 de janeiro de 2017

O PRIMEIRO JOGO DA HISTÓRIA DO BENFICA



Fez no passado dia 1 de Janeiro de 2017 ao meio dia, 112 anos que se iniciou o primeiro jogo dos milhares que se seguiriam até hoje! Obrigado Benfica!


Um treino nas Terras do Desembargador, às Salésias


 1 de Janeiro, entre as 8h30 às 10h, treino na manhã 

No campo das Salésias, estiveram presentes oito atletas: Cândido Rosa Rodrigues (28 treinos nos 29 realizados), António Rosa Rodrigues (29 / totalista), Carlos França (27), Daniel dos Santos Brito (27), Eduardo Corga (21), Joaquim Ribeiro (16), José Cruz Viegas (18) e Manuel Gourlade (29 / totalista). Foi o último treino de uma intensa preparação de onze meses, envolvendo 29 treinos, um número muito elevado numa fase do futebol em que se jogava mais do que se treinava! O nosso clube, como o tempo o provaria, escolheu o caminho certo – treinar para formar uma grande equipa que proporcionasse bons jogos e resultados que não levassem ao desânimo e à desistência, logo aos primeiros embates! Destes oito futebolistas só três participariam no primeiro jogo: António Rosa Rodrigues, Carlos França e José Cruz Viegas.

Os treinos nas Salésias permitiram também ir progressivamente adaptando os terrenos públicos das Terras do Desembargador, a local para praticar futebol, com a melhoria do piso e a instalação de marcações e balizas, trabalhos que foram registados na contabilidade do clube, pelas despesas a que obrigaram.




Uma fotografia de uma equipa da temporada de 1904/05, na realidade o retrato data do último jogo da época (29 de Junho de 1905) com uma constituição muito próxima (oito dos onze) daquela que estreou o "Glorioso" em campo, há precisamente 110 anos. Da esquerda para a direita. De cima para baixo. Componentes da defesa e meia-defesa (actual meio-campo): José Cruz Viegas (defesa à direita), Manuel Mora (guarda-redes), Fortunato Levy (meio-defesa à direita), Albano dos Santos (meio-defesa ao centro) , António Couto (meio-defesa à esquerda) e Emílio de Carvalho (defesa à esquerda); na frente, como da praxe, a linha de cinco avançados, do ponta-direito ao ponta-esquerdo: António Rosa Rodrigues, Silvestre da Silva (o capitão transporta a bola do jogo), Cândido Rosa Rodrigues, José Rosa Rodrigues e Carlos França

1 de Janeiro
Ao meio-dia, nas Salésias, jogo de estreia.
O Grupo Sport Lisboa vence por 1-0 o Grupo do Campo de Ourique.

No campo das Salésias, realizou-se o jogo de estreia do Sport Lisboa. O adversário foi o Grupo do Campo de Ourique, com uma equipa consagrada e experiente considerada a melhor das que apenas utilizavam jogadores portugueses. O Grupo do Campo de Ourique conquistara nos primeiros anos do século XX, o lugar que pertencera ao Casa Pia Football Club, em finais do séc. XIX. Em prestígio, alicerçado nos resultados dos jogos disputados, o melhor clube era o Carcavellos Football Club (ingleses do Cabo Submarino), seguia-se o Lisbon Cricket Club (ingleses da Cruz Quebrada), e depois o Grupo do Campo de Ourique (portugueses), que rivalizava com o FC Swift, um grupo misto de portugueses, entre eles os Pinto Basto e ingleses. Seguia-se uma plêiade de grupos de jogadores, alguns devidamente agrupados em clubes, que procuravam afirmar-se no futebol, incluindo o nosso clube!

O Sport Lisboa alinhou com: Pedro Guedes; José Cruz Viegas e Emílio de Carvalho; Fortunato Levy, César de Melo e António Couto; António Rosa Rodrigues, Silvestre Silva, Raul Empis, José Rosa Rodrigues e Carlos França.

Na formação da equipa há um misto de jogadores bem treinados mas muito jovens (José Cruz Viegas, Fortunato Levy, António Rosa Rodrigues, Raul Empis, José Rosa Rodrigues e Carlos França) com outros que tinham experiência em jogos competitivos, já veteranos/trintões (Pedro Guedes, Emílio de Carvalho, António Couto e Silvestre Silva) sabedores das características do jogo e de alguns adversários.

O guarda-redes foi Pedro Guedes (30 anos), antigo capitão das equipas da Real Casa Pia entre 1893/94 e 1897/98. Um veterano do futebol português. Era um jogador muito correcto e prestigiado entre os desportistas portugueses.

O defesa à direita, com 23 anos, José Cruz Viegas era um dedicado atleta pertencente ao Belém Football Club, habituado a treinar nesse lugar, ainda que com pouca experiência em jogos.

Na defesa, à esquerda Emílio de Carvalho, um ex-aluno casapiano com muita categoria e experiência. Começou a jogar no Casa Pia Football Club em 1893/94 até 1897/98. Após abandonar a instituição continuou a jogar em vários grupos da Capital, tais como as equipas organizadas pelo inglês Eagleson, no The Colonial’s Football Club e em 1903/04 no Football Club Swifts (antigo Grupo dos Pinto Basto e depois Club Internacional de Futebol/CIF). Era dos jogadores portugueses com mais experiência no futebol, sendo considerado por isso como dos melhores praticantes.

Fortunato Levy jogou como médio (meio-defesa) à direita. Foi dos primeiros atletas a iniciar-se como jogador nos treinos do nosso clube logo após a fundação, participando em 14 dos 29 treinos. Atraído pelos treinos em Belém, teve uma evolução espantosa, fazendo neste jogo a sua estreia como futebolista, aos 16 anos!

César de Mello jogou na posição de maior responsabilidade, nestes tempos do início das tácticas do futebol – médio (meio-defesa) ao centro, o jogador que “fazia o balanço da equipa”, entre a defesa e o ataque, no 2x3x5 (defesas / meios-defesas ou médios / avançados). César de Mello foi uma escolha surpreendente porque não era casapiano, nem pertencia ao Grupo dos Catataus. Aos 24 anos era, no entanto, um praticante de luta livre conceituado, vencedor de inúmeros combates, famoso nos meios desportivos lisbonenses. Um pilar para o meio-campo, pela sua combatividade e resistência, ainda que não tivesse treino específico de futebol nem experiência nesse desporto. Mas fizera alguns jogos no FC Swifts (Grupo dos Pinto Basto) e no Grupo do Lyceu, em 1903/04 e 1904/05.

António Couto (30 anos) capitaneou o nosso grupo e jogou a médio (meio-defesa) à esquerda. Era um jogador simpático e muito conhecido nos meios futebolísticos de Lisboa. Antigo jogador do Casa Pia Football Club  entre 1893/94 e 1897/1898, mesmo após a saída da instituição continuou a jogar em vários grupos num percurso idêntico ao de Emílio de Carvalho. Jogador e personalidade brilhante incutia confiança e responsabilidade aos seus companheiros e admiração aos adversários. Um atleta extraordinário!

António Rosa Rodrigues (18 anos), um dos Catataus jogou a avançado, à ponta direita. Começou a interessar-se pelo futebol em Belém formando com os seus irmãos mais velhos, José e Cândido, o Belém Football Club que seria o embrião do nosso clube. Atleta dedicado, pois foi totalista com 29 treinos era um entusiasta do futebol e elemento importante já no Belém Football Club. Fundador do nosso clube não tinha experiência em jogos “a sério” mas compensava essa falta, com vontade e ambição.

Silvestre Silva que completara 28 anos no dia anterior, 31 de Dezembro de 1904, ocupou o lugar de avançado na meia-ponta à direita. Antigo jogador do Casa Pia Football Club entre 1893/94 e 1897/98, continuou na instituição como professor, mas fez alguns jogos em equipas organizadas pelo inglês Eagleason em 1903/04. Apesar dos jogos de futebol escassearem, participou em jogos esporádicos durante várias épocas, o que lhe permitiu somar inúmeros jogos. Era pois um dos jogadores portugueses (tal como António Couto e Emílio de Carvalho) com mais jogos disputados. Coube-lhe a honra de marcar o nosso primeiro golo num remate fácil, o que quereria dizer perto da baliza, próximo da meia hora de jogo, no primeiro tempo. (ver NOTA FINAL)

A avançado ao centro, Raul Empis. Com 17 anos - nasceu no mesmo dia da fundação do Clube, 28 de Fevereiro, embora 17 anos antes em 1887! - começou a interessar-se pelo futebol em Belém integrando com alguma assiduidade o "Grupo dos Catataus". Um dos 24 magníficos fundadores treinou com afinco durante 1904, comparecendo a 17 treinos dos 29 realizados.

José Rosa Rodrigues, o mais velho dos Catataus, com cerca de 25 anos, jogou a avançado na meia-ponta à esquerda. Fundador do nosso clube e Presidente da Comissão Administrativa em 28 de Fevereiro de 1904, foi o maior impulsionador do Belém Football Club, que organizara com os seus irmãos, António e Cândido; e com os empregados da Farmácia Franco: Manuel Gourlade e Daniel dos Santos Brito. Dotado de grande espírito empreendedor e organizado era já o Presidente do Belém Football Club. Apesar de veterano (para a época...) era aplicado, participando em 25 dos 29 treinos de 1904.

Como ponta à esquerda jogou Carlos França (18 anos) que foi também um dos 24 fundadores do nosso clube. Carlos França foi dos elementos que atraído pelo entusiasmo dos Catataus e seus vizinhos de prédio e rua, aderira, treinara e jogara pelo Belém Football Club. Jogador aplicado nos treinos, participou em 27 ou seja apenas não compareceu a dois deles!

O jogo era aguardado com expectativa nos meios futebolísticos de Lisboa, sendo anunciado na imprensa com destaque. O Grupo Sport Lisboa (abreviado para Grupo de Lisboa ou apenas Lisboa) estreava-se e apresentava alguns jogadores muito conceituados no circulo restrito dos desportistas da Capital, sendo mesmo capitaneado por António Couto o que era já um bom indicador. E o Grupo do Campo de Ourique com “nome feito” pelas vitórias que alcançara apresentava jogadores habituados a vencer.

Durante o jogo “houve fases interessantíssimas, que conservaram as inúmeras pessoas que assistiam ao desafio em constante ansiedade, pois que, jogando os dois grupos com denodo, ninguém sabia a quem caberia o triunfo. Belo desafio, na verdade, que mais uma vez confirmou os créditos já firmados dos jogadores dos dois grupos.”(Jornal da Noite, em 2 de Janeiro de 1905)

A vitória do nosso clube foi saudada pois era uma estreia prometedora. Logo no primeiro jogo arriscara-se um desafio com um clube de prestígio e o Clube saiu-se muito bem! Muitíssimo bem! A estratégia dos atletas – treinar para consolidar a equipa - começava a revelar-se acertada. A integração de jogadores casapianos consagrados foi uma ideia brilhante!

Alberto Miguéns

NOTA FINAL: O primeiro golo Os jornais e revistas - a imprensa da época - contemporâneas deste acontecimento não referem quem foi o autor do golo. Mas numa entrevista muito posterior a esta estreia, Silvestre Silva então professor na Casa Pia de Lisboa quando questionado a propósito dos primeiros tempos do futebol de Portugal, ele que foi um dos principais pioneiros, refere que coube-lhe a honra de marcar o golo "por volta da meia-hora" que deu a vitória na estreia do Sport Lisboa. E que por isso no encontro seguinte passou a capitanear a equipa! Infelizmente não disse - também não foi questionado ou se foi a resposta não foi publicada - se tal facto - capitanear a equipa no resto da temporada de 1904/05 - ocorreu por aposta/combinação prévia ou como resultado de um reconhecimento/agradecimento dos outros futebolistas perante tal feito! Pode ser que um dia se descubra a razão/motivo de tal "promoção" dentro da equipa pioneira do "Glorioso"!

O marcador do primeiro golo da história do Benfica



Silvestre José da Silva

31 de Dezembro de 1876 - 13 de Junho de 1952 (75 anos)