sábado, 2 de julho de 2016

GRANDES NOMES

FUTRE



Um grito (permanente) de revolta. Assim parecia Paulo Futre. Em campo, anti-sistema. Um desalinhado. Tinha a intuição por código, por cartilha a magia. Incoercível. Desarrumava a rigidez táctica, violava a proibição do risco, gozava os esquemas standardizados, Paulo Futre vivia no futebol a liberdade. E emprestava-lhe sentido. Do pai herdou o gosto pela bola. Com 11 anos apenas, em Alvalade, num torneio da Direcção Geral dos Desportos, toques sensórios tiraram-no do anonimato. Destacou-se nas equipas juvenis do Sporting, a sénior chegou, com Manuel Fernandes e Rui Jordão. No dia 21 de Setembro de 1983, em pleno palco dos leões, substituiu Jaime Pacheco, ao minuto 58, do Portugal-Finlândia, transformando-se no mais jovem internacional de sempre do nosso universo. Polémica transferência conduziu Futre ao FC Porto e ao reconhecimento cabal. Campeão nacional e europeu se fez. Seguiu-se o Atlético de Madrid, na condição de ídolo colchonero, somando duas taças do Rei ao palmarés, uma das quais recebida das mãos de D. Juan Carlos, que o felicitou em português.



A 18 de Janeiro de 1993, data de aniversário da revolta operária da Marinha Grande, a revolta também do genial Paulo Futre. O clube espanhol, ao fim de quase seis ininterruptas temporadas, embargava-lhe agora a alma. Ansioso por encontrar um novo patamar competitivo, aceitou verbalmente o principio de acordo com o Sporting. Só que o Benfica, na presidência de Jorge de Brito, atacou mais forte para garantir o concurso daquele que era o melhor jogador português da época. A 25 de Janeiro, Paulo Futre ingressava no maior clube nacional. Era dia de anos do rei Eusébio. Dia de festa no santuário vermelho.

  


“Nunca perdi com a camisola do Benfica”, recorda. Foram cinco meses, 13 jogos e cinco golos, num curto registo, com destaque para a vitória frente ao arqui-rival Sporting, na Luz, com um tento único da sua autoria. Mas o vendaval Futre sacudiu como nunca os adeptos benfiquistas naquela mágica exibição na final da Taça de Portugal (5-2), perante o Boavista. No Jamor, o esquerdino esteve perfeito. Irisou o jogo. Era fúria e talento. Era sensualidade. “Eu show Futre” virou o mais conseguido titulo daquela récita rubra.



O destino não quis que o atleta continuasse adscrito aos quadros do clube. Foi uma das gravosas consequências da crise financeira do Verão de 93. O quinteto de luxo desfazia-se. Só na Selecção Nacional seria possível rever Vítor Paneira, Paulo Sousa, Rui Costa, João Vieira Pinto e Paulo Futre. Transferiu-se para Marselha. Seguiu-se o AC Milan e o titulo de campeão de Itália. Outros emblemas ainda, já no lusco-fusco da carreira. Num século de vida, terá sido um dos melhores jogadores do Benfica, ainda que, concomitantemente, dos que menos vezes actuaram. À história encarnada ficaram a faltar mais estórias de Futre. É que dele, tal como ao chorar o toureiro, bem poderia dizer Frederico Garcia Lorca: “tardará mucho tiempo en náscer, si es que nasce”.

GIF'S







A IDA PARA O BENFICA