sexta-feira, 17 de junho de 2016

GRANDES NOMES

FILIPOVIC

Zoran Filipovic, nome afamado no futebol português, veio para o nosso país no inicio da década de 80 para representar o SL Benfica. Ainda como jogador representou em Portugal o Boavista FC, clube onde viria a encerrar a sua carreira de futebolista e assumir as funções de treinador.

E seria na qualidade de treinador que Zoran Filipovic representou o Vitoria SC na temporada de 1998/99, assumindo o comando técnico da equipa principal vimaranense logo no inicio daquela época.
Embora tivesse nascido em Belgrado, no dia 6 de Fevereiro de 1953, foi em Titogrado, capital da Republica do Montenegro, que Filipovic viveu os primeiros anos de vida. Anos mais tarde, já adolescente, voltou à sua cidade natal para estudar e começar a sua carreira de futebolista nos infantis de FK Estrela Vermelha de Belgrado.
Ingressou num dos mais populares clubes da antiga Jugoslávia com apenas 13 anos de idade. E, de forma bastante precoce e inesperada, chegou à equipa principal do FK Estrela Vermelha com apenas 17 anos de idade.
Nas jovens equipas daquele famoso clube, Filipovic evidenciou os seus dotes de goleador, coleccionou títulos e tornou-se internacional pela antiga selecção da Jugoslávia. Foi três vezes campeão nacional da Jugoslávia nos escalões de juvenis e juniores e por 16 vezes representou a selecção nacional de juniores daquele país.
Na equipa principal do FK Estrela Vermelha teve uma ascensão vertiginosamente e, como se referiu, bastante prematura. A estreia ocorreu na época de 1970/71 num jogo internacional a contar para a Taça dos Clubes Campeões Europeus entre o FK Estrela Vermelha e o Ujpest FC, uma equipa húngara treinada, naquela altura, por Lajos Baroti, um treinador que viria a revelar-se fundamental no ingresso de Filipovic no SL Benfica uma década depois.
E, na verdade, a estreia de Filipovic não poderia ter sido mais auspiciosa do que aquilo que veio a ser. Este jogo contava então para a 2ª eliminatória dos 16-avos de final da principal competição europeia, depois do FK Estrela Vermelha ter perdido na Hungria por 2-0.
Com o jovem futebolista entre jogadores de grande categoria, o FK Estrela Vermelha embalou para um sensacional triunfo sobre a equipa do Ujpest FC por 4-0, com dois golos apontados por Filipovic.

Zoran Filipovic estava assim lançado para uma carreira de futebolista que atingiu grande notoriedade. No seu país, durante 10 anos na equipa principal do FK Estrela Vermelha, venceu três vezes o campeonato nacional e a Taça de Jugoslávia em outras tantas ocasiões.
Ao serviço da equipa jugoslava marcou 302 golos em 477 jogos realizados nas várias competições. Filipovic ainda hoje mantém a marca de terceiro melhor marcador de sempre na história do FK Estrela Vermelha.
A nível individual, realça-se, desde logo, o título de melhor marcador do campeonato nacional da antiga Jugoslávia na temporada de 1976/77 e as 15 internacionalizações pela selecção principal da Jugoslávia.
Os ecos dos seus dotes de goleador percorriam toda a Europa, quer pelos golos que apontava nas competições internas, quer pelas exibições que fazia nos desafios das competições internacionais ao serviço o FK Estrela Vermelha e da selecção jugoslava.
Eram várias e tentadoras as propostas que chegavam a Filipovic para actuar em vários clubes europeus. Todavia, os regulamentos internos da antiga Jugoslávia não permitiam que um futebolista internacional emigrasse antes dos 28 anos de idade.
Por isso, só com 28 anos de idade é que Filipovic foi autorizado a viajar para a Bélgica para representar Clube Brugge KV na temporada de 1980/81. A transferência e a experiencia no futebol belga se monetariamente foi bastante agradável para Filipovic, no plano desportivo não foi nada condizente com os pergaminhos do futebolista.
Uma inoportuna lesão afastou o jogador da equipa principal e da melhor forma física durante quase toda a época, motivo pelo qual, Filipovic não atingiu a notoriedade esperada pelos responsáveis belgas na sua contratação.

Desiludido quedou-se apenas uma temporada no futebol belga, onde realizou uma época apagada com apenas 9 golos apontados nos 26 jogos oficias em que participou nas várias competições onde Clube Brugge KV esteve envolvido durante a época de 1980/81.
O Clube Brugge KV não conseguiu melhor que um 6º lugar na classificação do campeonato belga, enquanto na Taça da Bélgica e na Taça dos Clubes Campeões Europeus foi eliminado precocemente das competições.
Em Junho de 1981 surgiu então a oportunidade de Filipovic prestar provas no SL Benfica. Lajos Baroti, então treinador dos encarnados, não duvidou das condições do futebolista e aconselhou a sua contratação aos responsáveis benfiquistas.
Assim, depois dos brasileiros Jorge Gomes e César, Filipovic tornava-se o terceiro futebolista estrangeiro a representar o SL Benfica. Durante a primeira temporada ao serviço dos encarnados Filipovic não demonstrou todas as suas capacidades.
Esta época de 1981/82 não foi, também, nada risonha para as aspirações encarnadas. No Campeonato Nacional da 1ª Divisão o SL Benfica ficou no 2º lugar da classificação e perdeu o título nacional para o Sporting CP.
Filipovic jogou 22 jogos na principal competição portuguesa, apontando apenas 5 golos, mas começou logo nessa temporada a formar uma dupla atacante com Nené que traria grandes êxitos ao SL Benfica.
A estreia oficial de Filipovic com a camisola dos encarnados ocorreu no Estádio das Antas, em Agosto de 1981, num desafio frente ao FC Porto que o SL Benfica perdeu por 2-1. Mas logo nesse jogo de estreia Filipovic marcou também o seu primeiro golo com as cores do SL Benfica, quando bateu o guardião portista Fonseca aos 87 minutos de jogo, numa altura em que o FC Porto já vencia por 2-0.
Se aziaga foi a temporada de 1981/82, sensacional e quase perfeita seria a época seguinte de 1982/83, já com o sueco Sven Goran Eriksson no comando técnico da equipa do SL Benfica, o qual conferiu uma nova dinâmica à dupla atacante Filipovic/Nené.
O SL Benfica ganhou o Campeonato Nacional da 1ª Divisão, venceu também a Taça de Portugal e atingiu a final da Taça Uefa. E, para esses feitos, muito contribuiu a formidável temporada protagonizada por Filipovic.
A carreira da equipa benfiquista no Campeonato Nacional da 1ª Divisão foi traçada sempre no comando da tabela classificativa, tornando incontestável o triunfo dos encarnados. Nesta prova, Filipovic marcou 9 golos em 22 jogos, ficando como segundo melhor marcador dos encarnados, atrás de Nené que marcou 21 golos.
Já o triunfo na Taça de Portugal foi consumado com uma vitória sobre o FC Porto por 1-0 na final disputada no Estádio do Jamor, com a presença de Filipovic na equipa titular benfiquista.


Por sua vez, o percurso do SL Benfica na Taça Uefa ficou indelevelmente marcado pelas actuações de Filipovic. Em 12 jogos, Filipovic marcou 8 golos, consagrando-se como o melhor marcador da competição.
E os seus golos foram decisivos no caminho do SL Benfica ate à final da prova. Marcou três golos na eliminatória dos quartos de final frente aos italianos da AS Roma e o golo decisivo que carimbou a passagem à final da prova no desafio da 2ª mão das meias-finais contra a equipa romena do Universidad Craiova.
Filipovic era um jogador alto, bastante possante, mas com bastante classe e muito elegante na forma de actuar. Com elevados recurso técnicos, remate fácil e bom jogo de cabeça, Filipovic foi um avançado que atingiu índices de produtividade notáveis.
Na época seguinte de 1983/84, Filipovic, caminhando a passos largos para a veterania, cedeu o seu lugar na equipa principal do SL Benfica ao jovem dinamarquês Manniche. Alem disso, naquele tempo, a utilização de jogadores estrangeiros estava condicionada apenas a dois elementos em campo, motivo pelo qual, Filipovic acabou por ser sucessivamente preterido em favor de Manniche, já que o outro estrangeiro tratava-se do sueco Stromberg, um futebolista praticamente intocável no onze principal dos encarnados.
Deste modo, Filipovic actuou apenas em 8 jogos no Campeonato Nacional da 1ª Divisão e apontou 6 golos. O SL Benfica, por sua vez, voltou a sagrar-se campeão nacional sob o comando do treinador sueco Sven Goran Erikson.
Tapado no SL Benfica, Filipovic iria terminar a carreira de futebolista em Portugal representado o Boavista FC durante duas temporadas. Realizou uma grande época na equipa boavisteira, sobretudo, após João Alves, companheiro de equipa, ter assumido o comando técnico substituindo Mário Wilson, contribuindo decisivamente para conquistar um 4º lugar na classificação final do Campeonato Nacional da 1ª Divisão e, deste modo, alcançar um apuramento para a Taça Uefa.
O veterano avançado dos Balcãs, alinhou, na temporada de 1984/85, em 28 jogos da principal competição portuguesa, marcando 10 golos na prova, sagrando-se, assim, o melhor marcador da equipa boavisteira.
Em 1985/86 foi a ultima época de Filipovic como futebolista. Desta feita, nem sempre foi titular indiscutível na equipa do Boavista FC que continuava a ser comandada por João Alves.
Nesta temporada, Filipovic realizou 21 jogos no Campeonato Nacional da 1ª Divisão e marcou um total de 5 golos. O Boavista FC, por seu turno, conquistou o 5º lugar na classificação geral, embora, o maior feito daquela época tivesse sido, salienta-se, a eliminação dos italianos da AC Fiorentina na 1ª eliminatória da Taça Uefa, conseguindo, dessa forma, pela primeira vez na sua história da colectividade, atingir a 2ª eliminatória de uma competição europeia de clubes.
No inicio da época de 1986/87, Zoran Filipovic foi convidado por João Alves para integrar a equipa técnica do Boavista FC. Começava assim a sua carreira de treinador de futebol.
Ainda no Boavista FC, depois de auxiliar João Alves, Zoran Filipovic manteve-se também como adjunto do treinador brasileiro Pepe durante a temporada de 1987/88 e no inicio da época de 1988/89.
Todavia, durante esta ultima temporada, Zoran Filipovic tomou conta dos destinos dos SC Salgueiros, substituindo Vieira Nunes no cargo de treinador principal da equipa salgueirista a disputar a 2ª Divisão Nacional.
Na primeira experiencia como técnico principal, o jovem técnico conseguiu manter a equipa do SC Salgueiros longe de apuros e iniciou um processo que redundou no regresso à 1ª Divisão Nacional no final da época seguinte de 1989/90.
O SC Salgueiros venceu a Zona Centro da 2ª Divisão Nacional após uma disputa épica com o SC Espinho e, na fase final daquele escalão, a formação salgueirista conseguiu adornar o feito da subida ao primeiro escalão do futebol português com o título de campeão nacional.

Agora na 1ª Divisão Nacional, Zoran Filipovic comandou o SC Salgueiros à sua melhor classificação de sempre na principal competição portuguesa. Alem disso, com o 5º lugar obtido na temporada de 1990/91, o SC Salgueiros conseguiu, pela primeira vez na sua história, apurar-se para as competições europeias de clubes.
Essa participação, absolutamente digna, terminou, porem, logo na 1ª eliminatória da Taça Uefa, derrotados no desempate através das grandes penalidades pela equipa francesa do Cannes FC.
Nesta época de 1991/92, todavia, a carreira do SC Salgueiros ficou muito aquém das expectativas geradas e muito longe dos méritos alcançados na sensacional temporada anterior. Ficou então evidente as inúmeras carências do clube, sobretudo, com as várias lesões que atingiu alguns dos melhores jogadores da equipa e condicionou as opções do treinador Zoran Filipovic.
A equipa salgueirista realizou uma época desacertada, ficando mesmo em perigo a sua manutenção do escalão principal. Conseguiu, porém, na última jornada, a permanência na 1ª Divisão Nacional.
Zoran Filipovic ainda começou a época seguinte de 1992/93 no comando técnico da equipa salgueirista. Porem, não terminou a temporada ao serviço do SC Salgueiros e foi substituído por Mário Reis.
A sua carreira como treinador em Portugal prosseguiu conduzindo SC Beira-Mar na temporada de 1993/94. A formação beiramarense cumpriu o objectivo traçado para a manutenção na 1ª Divisão Nacional, embora, tenha conseguido salvar-se apenas nas últimas jornadas da prova.
Na época seguinte de 1994/95, Zoran Filipovic vai regressar ao SL Benfica, agora na condição de treinador, assumindo as funções de adjunto de Artur Jorge na equipa técnica benfiquista.
Foi, porém, uma temporada frustrante para os encarnados depois do título nacional alcançado na época anterior. Ainda assim os responsáveis do SL Benfica renovaram a confiança em Artur Jorge e na sua equipa técnica.
Filipovic permaneceu, então, mais uma temporada no SL Benfica, embora, a coadjuvasse Artur Jorge apenas até à 3ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão da época de 1995/96.
Apesar da rescisão contratual com Artur Jorge, o adjunto Zoran Filipovic permaneceu no SL Benfica até ao final da temporada, agora, como adjunto de Mário Wilson que assumiu a condução técnica da equipa benfiquista.
E foi já como assessor de Mário Wilson que viria a vencer o seu primeiro troféu na condição de treinador, quando o SL Benfica venceu a Taça de Portugal da temporada de 1995/96 numa final contra o Sporting CP.
No final desta época, porem, o técnico Zoran Filipovic terminou a ligação ao SL Benfica e voltou assumir o papel de treinador principal, regressando a um clube bem conhecido, o Boavista FC.
Contudo, não foi um regresso feliz. Filipovic regressou ao Boavista FC no inicio da época de 1996/97 para suceder a Manuel José, técnico que tinha realizado um trabalho excepcional ao longo das quatro temporadas anteriores.
A fasquia, por isso, estava elevada e Filipovic não foi capaz de manter o nível da equipa boavisteira. O clube acusou demasiadamente a transição e Zoran Filipovic aguentou apenas até à 10ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, acabando por ser substituído por João Alves, numa altura em que a formação boavisteira ocupava os lugares da despromoção.
A partir de então, Filipovic vira os seus horizontes profissionais para o estrangeiro, embora nunca tenha deixado, definitivamente, o nosso país. Todavia, só voltaria a treinar em Portugal quando assumiu os destinos do Vitoria SC no inicio da época de 1998/99.
Antes disso, Zoran Filipovic esteve na UC Sampedoria como adjunto de Boskov na temporada de 1997/98 e como adjunto também na selecção nacional da Jugoslávia durante o ano de 1998.
Como se referiu, voltou então a Portugal no inicio da temporada de 1998/99 para assumir a condução da equipa do Vitoria SC. Esta passagem, todavia, não foi nada positiva.
O Vitoria SC dispunha, inquestionavelmente, de um plantel de grande qualidade, todavia, Zoran Filipovic não conseguiu encarreirar a equipa no caminho dos bons resultados.
A Filipovic, porem, exigia-se uma tarefa bastante complicada, pois, de facto, não seria fácil igualar os resultados alcançados pela formação vimaranense na época anterior com um 3º lugar na classificação geral do Campeonato Nacional da 1ª Divisão.
Porque os resultados positivos não surgiam, o inicio da temporada de 1998/99 acabou por ser bastante conturbado. Alem disso, a forma de jogar da equipa não agradava aos exigentes adeptos vimaranenses.
Após vários resultados negativos, com uma classificação longe dos objectivos do clube, uma derrota em casa frente ao SC Campomaiorense na última jornada da 1ª volta ditou a demissão de Zoran Filipovic no cargo de treinador principal do Vitoria SC.
Zoran Filipovic tornou-se um profundo conhecedor do futebol português. Como treinador era considerado um catedrático do futebol, culto, estudioso e muito metódico. Sempre muito reservado, ponderado e modesto no comportamento, Filipovic era visto por todos como um verdadeiro gentelman.
Do ponto de vista técnico/táctico, Zoran Filipovic sempre construiu as suas equipas com base numa boa estrutura defensiva. As suas equipas, normalmente, eram bastante sólidas, onde predominava a segurança a eficácia em detrimento do futebol espectáculo e ofensivo.
Com o fim da ligação ao Vitoria SC, terminou também a carreira de Zoran Filipovic em Portugal. A partir de então, o técnico dos Balcãs teve várias experiencias em clubes e selecções nacionais.
Em 1999/00 voltou a ser adjunto na selecção nacional da Jugoslávia. Em 2000/01 foi para a Grécia treinar o Panionios FC, para nas duas épocas seguintes de 2001/02 e 2002/03 regressar ao seu clube de coração, o FK Estrela Vermelha de Belgrado, onde se destacou pelo triunfo na Taça de Servia e no lançamento de um punhado de jovens jogadores de grande qualidade. Ainda como treinador, na temporada de 2003/04, Zoran Filipovic rumou às arábias para conduzir a formação do Al-Shaab CSC.
A partir do ano de 2005 Zoran Filipovic passou a desempenhar novas funções, assumindo o cargo de Director-Tecnico da selecção nacional da Servia-Montenegro. Em 2007, após a independência montenegrina com a separação da Servia, Zoran Filipovic tornou-se no primeiro seleccionador nacional da Republica do Montenegro.
Esteve naquele cargo de seleccionador até ao ano de 2010. Depois, esteve três meses ao serviço do FC Ceahlaul, da Roménia, sem grande sucesso. Em Julho de 2010, Zoran Filipovic, hoje com 58 anos de idade, assumiu as funções de treinador no Golden Arrows FC, um clube da África do Sul.


VIDEO